11 outubro 2006

Matra MS80 - Jackie Stewart (1969)

As duas miniaturas apresentadas são duas versões do Matra MS80 utilizados em 1969 por Jackie Stewart. O número 3 é o Matra MS80 utilizado num dos seguintes GP: Grã-Bretanha, USA ou México, pertence à colecção Grand Prix Mitos da Formula 1. O número 4 é o Matra MS80 utilizado no GP da Holanda, pertence à colecção 100 de Desporto Automóvel. A diferença entre eles está no aileron traseiro. Na minha opinião, a miniatura do Matra MS80 número 3 é de superior qualidade do que a do Matra MS80 número 4.

A Matra era uma companhia aeroespacial francesa que entrou na competição automobilística com o objectivo de acabar com o domínio dos carros ingleses na Formula 1. A Matra participa pela primeira vez numa prova de Formula 3 em 1965. Posteriromente, para a equipa de Formula 2 é contratado Ken Tyrrell (inglês) para manager e Jackie Stewart para primeiro piloto. Em 1967 os resultados são muito positivos e a Matra recebe apoios governamentais para desenvolver o projecto para a Formula 1. Para a equipa da Formula 1 mantiveram Ken Tyrrell como manager e contrataram, para 1968, Jackie Stewart para primeiro piloto, que desde a sua estreia (1965) na Formula 1 guiava para a BRM, embora corresse pela Matra nas formulas inferiores. A estreia da Matra na Formula 1 acontece em 1967 no GP do Mónaco. O projecto envolvia também a construção de um motor V12 mas inicialmente utilizaram o motor Ford Cosworth DVF. A temporada de 1968 decorreu com algum sucesso: terceiro lugar no mundial de construtores e três vitórias. Para 1969, Ken Tyrrell decidiu que não utilizaria o motor Matra e sim continuar com o motor Ford Cosworth DFV até porque era um motor que já tinha dado garantias de sucesso noutras equipas.

No início do campeonato de 1969, as equipas continuaram a explorar a utilização dos ailerons altos nos monolugares. Nos dois primeiros GP do ano, o mesmo vencedor, o escocês Jackie Stewart vence na Africa do Sul com o Matra MS10 de 1968 e em Espanha já com o Matra MS80 alcança nova vitória. No GP da Espanha (circuito de Montjuic – Barcelona) os dois Lotus 49B de Jochen Rindt (austríaco) e Graham Hill (inglês) sofrem acidentes por causa de falhas dos altos ailerons que estavam montados sobre as suspensões dos monolugares. Jochen Rindt, que ficou ferido nesse acidente, começou a criticar Colin Chapman devido aos frágeis componentes do Lotus 49B e a afirmar que começava a perder a confiança nos seus carros. Coincidência ou não seria uma premonição do que lhe viria a acontecer em 1970?
Devido às constantes quebras dos altos ailerons e consequentes acidentes, os responsáveis pela Formula 1 decidiram (contra os protestos de vários construtores), nos treinos do GP do Mónaco, proibir imediatamente tais ailerons. O passo seguinte foi o desenvolvimento aerodinâmico com ailerons traseiros baixos. Entretanto na pista, o GP do Mónaco foi vencido por Graham Hill (Lotus) que assim estabeleceu o record de 5 vitórias no circuito do Mónaco; record que só viria a ser quebrado 24 anos depois, em 1993 pelo brasileiro Ayrton Senna.

Nos cinco GP seguintes (Holanda, França, Grã-Bretanha, Alemanha e Itália) apenas dois vencedores, Jackie Stewart (Matra) vence quatro e o belga Jacky Ickx (Brabham) vence na Alemanha com J. Stewart em segundo lugar. Com a vitória no GP da Itália, Jackie Stewart (Matra) sagra-se campeão do mundo a três provas do fim do campeonato. Jacky Ickx (Brabham) vence no Canada, Jochen Rindt (Lotus) vence nos EUA e Denny Hulme (McLaren) vence no México. Nestes três últimos GP do ano, J. Stewart apenas pontua no México, com um quarto lugar. Jackie Stewart termina o campeonato em primeiro lugar com 63 pontos contra os 37 pontos de Jacky Ickx que fica em segundo. A Matra vence o campeonato de construtores com 66 pontos e a Brabham é segunda classificada com 49 pontos. A Ferrari tem uma das piores temporadas da sua história devido às dificuldades financeiras, sendo salva pela FIAT. Um dado curioso que fica para a história da Formula 1, na época havia várias equipas (Lotus, Matra e McLaren) que estavam a desenvolver monolugares de quatro rodas motrizes mas que se revelariam um fracasso. No entanto seria o Matra MS84 de quatro rodas motrizes a conseguir o único ponto para o mundial de Formula 1 de um carro de tracção às quatro rodas: Johnny Servoz-Gavin (Matra MS84) termina em sexto lugar no GP do Canada.

O Matra MS80 em 1969 foi utilizado: Jackie Stewart e Jean-Pierre Beltoise
Vitórias: 5 (J. Stewart: 5)
Pole-position: 2 (J. Stewart: 2)
Melhor volta : 5 (J. Stewart: 4; J.-P. Beltoise: 1)

Sem comentários: