20 dezembro 2011

Subaru Impreza WRX STI - O. Burri - S. Rey (Rali de Monte Carlo de 2010)

Esta miniatura pertence à colecção Rallye Monte-Carlo - Os Carros Míticos – Fasc. nº 63.
Sempre que se fala na Subaru quase que imediatamente nos lembramos do Campeonato do Mundo de Ralis (WRC), e de pilotos como Colin McRae (escocês), Richard Burns (inglês) e Petter Solberg (norueguês), campeões com a marca japonesa, entre outros. Para além da principal categoria dos ralis, a Subaru também esteve envolvida noutras categorias, ditas inferiores, dos ralis como o Grupo N. A miniatura apresentada representa um desses modelos, o Subaru Impreza WRX STI de Olivier Burri (suíço) no Rali de Monte Carlo de 2010, que correu na categoria do Grupo N.
O Subaru Impreza WRX STI utiliza uma carroçaria completamente diferente do que tinha sido utilizado até então pela marca nipónica: esta alteração aconteceu em 2008 e foi o facto de anteriormente se utilizar uma carroçaria de três volumes e agora a base utiliza uma carroçaria de dois volumes. Verificaram-se outras alterações, como por exemplo a suspensão traseira ser agora multilink abandonando a McPherson.
Foram introduzidas ajudas electrónicas à condução, nomeadamente um repartidor de binário automático ou seleccionável pelo piloto. In fascículo nº63. O motor de 2 litros turbo debitava 308 cv às 6400 rpm. A caixa era de 6 velocidades sequenciais; a transmissão utilizava diferenciais autoblocantes e diferencial central variável. O Subaru Impreza WRX STI pesava 1275 kg.
A 78ª edição do Rali de Monte Carlo (2010) não contou para o WRC, contudo foi a primeira prova do Intercontinental Rally Challenge (IRC). Olivier Burri disputou o rali monegasco tendo como rival pela vitória no Grupo N o piloto checo Vojtech Stajf, também com um Subaru Impreza da equipa de Tommi Makinen. Stajf assumiu a liderança no início do rali mas acabou por ter de abandonar devido a um furo na sequência do qual alguns pedaços de borracha do pneu danificaram a instalação eléctrica do carro. In fascículo nº 63. Olivier Burri aproveitou os problemas de Stajf e venceu o Grupo N, ficando no 13º lugar da classificação geral. A vitória foi para o piloto finlandês Mikko Hirvonen ao volante de um Ford Fiesta S2000. Julgo que Hirvonen participou nesta edição do Monte Carlo apenas com a finalidade de testar o Fiesta visto que no ano seguinte seria este o modelo da Ford a utilizar, embora na versão WRC. Como tal, foi a única aparição de Hirvonen no campeonato do IRC neste ano de 2010. O campeão do IRC de 2010 foi o finlandês Juho Hänninen, que ao volante do Skoda Fabia S2000 venceu 3 ralis (80 pontos).

06 dezembro 2011

À conversa com CaboReyes

Após algum tempo sem novidades nesta área aqui no 4Rodinhas, hoje é tempo de regressar ao tema das conversas com outros coleccionadores de miniaturas automóveis.
Assim, o coleccionador que tenho hoje o prazer de vos apresentar é o CaboReyes, coleccionador argentino, apreciador confesso de automóveis da década de 50 e que nos mostra a sua colecção no blog Auto Modellbaus. A nossa conversa foi excelente, com respostas bem definidas e bastante interessantes que nos mostram um pouco das ideias e pontos de vista de CaboReyes sobre o nosso hobbie. Vale a pena conhecer CaboReyes e a sua bela colecção exposta aqui no seu blog Auto Modellbaus onde cada miniatura tem uma história para nos contar.
CaboReyes, desde já agradeço o facto de teres aceite o meu convite. E como ficou combinado aqui está o video para a introdução da nossa conversa. Abraço.


4Rodinhas - Olá, CaboReyes. Quero agradecer desde já a tua disponibilidade para esta pequena conversa. Podes dizer-me há quanto tempo coleccionas miniaturas automóveis?
CaboReyes - Es un gusto José António, antes que nada es importante aclarar que siempre es placentero hablar de éstos temas, sobre colecciones como la tuya, la de muchos que estarán leyendo y la mía... que tiene varios años aunque sus inicios son borrosos, vamos a considerar unos 7 años donde compré el segundo modelo, momento que quedó marcado por el deseo de un tercero que no llegaría hasta años después. No fué un gran comienzo pero es lo más común, considero que todos llegamos a esta actividad por alguna casualidad.

4Rodinhas - Parto do princípio que todos nós, coleccionadores de miniaturas, gostamos de automóveis mas para além disso houve alguma razão em especial que te levou a coleccionar miniaturas?
CaboReyes - Sabés que te voy a responder con una sinceridad absoluta, me encantaría tener todos esos autos reales, pero no tengo ni espacio ni recursos para tener algo así. Eso sí, cuidado, conoces mis modelos y sabes que son muy terrenales, nada de super autos o fuera de serie, pero aún así, tener cada auto que haya circulado por las calles de Argentina en los ultimos 60 años...
Mejor compramos modelos no?

4Rodinhas - Após este tempo passado desde que iniciaste a tua colecção será que ainda te lembras da tua primeira miniatura? Qual? Envia foto.
CaboReyes - Mi primera miniatura es de la marca Bburago, un Volkswagen Beetle escala 1:18 que compré hace más de 15 años, estuvo de adorno en mi dormitorio de soltero mucho tiempo, hasta que pude dar con el segundo (lo más parecido al auto de mi padre) muchos años después, que sería el inicio de mi colección, lo que preguntabas al principio.
El segundo modelo, un Peugeot 403.

4Rodinhas - A tua colecção é orientada por algum tema em específico? Porquê esse tema?
CaboReyes - Vehículos que circularon en Argentina décadas atrás. Soy un confeso nostálgico, puedes observar que mis modelos son (en su mayoría) de la década del 50 hasta fines de los 80s, para mi cada modelo es un medio, una materialización de un recuerdo propio... o ajeno... un objeto que representa una realidad pasada, que ayuda a recordar y retener un tiempo que indefectiblemente pasa.
Así llegan las miniaturas de altísima fidelidad que dan una experiencia corpórea y plena algo que supera por lejos a la mejor fotografía. Por otro lado tengo modelos antiguos, contemporáneos al modelo reproducido (el más viejo que tengo es del año 1959) y obviamente no tienen la calidad de un modelo actual... pero no tienen que representar nada por que son historia en sí mismos... siempre que puedo sumar un modelo “vintage” me doy el gusto. Ni hablar de una restauración, cuando tengo una es tocar el cielo con las manos.
Por ejemplificar sigo la línea del 403:
Primero el modelo de IXO, más actual y a la venta actualmente.
Luego tenemos el modelo de Sólido de la mítica “Serie 100” lanzada en 1959:
Y la nostalgia pura, lo que lleva a tener los dos modelos:
Es una foto familiar, el auto de mi padre, en el que aprendí a manejar muchos años después de sacada ésa foto... Dado el alto aprecio que le tengo es que tengo varias miniaturas del mismo.
Mi primer auto fué un Peugeot 504 color blanco y tengo varios modelos del mismo. José vas a escuchar gente por ahí diciendo que me gustan los Peugeots...
Todas! Todas mentiras! Jajaja!

4Rodinhas - Como sabes existem várias escalas para as miniaturas, qual a tua escala preferida? E porquê essa escala?
CaboReyes - Si bien mis primeros modelos fueron 1:18 el resto son 1:43 que permiten una reproducción digna en un espacio de 5 x 12 centímetros y a la vez es la escala que considero con más variedad de modelos.

4Rodinhas - Neste momento a tua colecção já terá uma quantidade significativa de miniaturas, sabes dizer quantas são (aproximadamente)? E tens algum método para as classificar?
CaboReyes - La última vez que tuve una idea aproximada sobre la cantidad que tenía superaba el centenar de modelos, además de tres proyectos de restauración y un par que espero que están viajando hacia aquí.
Los ordeno de acuerdo a marca del modelo reproducido, del más antiguo al mas reciente (por ejemplo Peugeot: 203, 403, 404, 504, 505) Y aparte separo los utilitarios de acuerdo a su categoría (camiones, autobuses, furgones, pickups) Me da buenos resueltados a la hora de encontrar algun modelo en particular y a la vez para quienes visitan la colección ya que es muy intuitivo encontrar una marca y ubicarse en una escala de tiempo.

4Rodinhas - A partir de uma determinada altura comecei a ter alguma dificuldade em guardar as miniaturas, não sei se passou o mesmo contigo, mas o que gostaria de saber era como guardas a tua colecção?
CaboReyes - Todos mis modelos están en una vitrina de dos metros de alto por un metro de ancho, donde pongo exclusivamente el modelo, sin el protector acrílico ni su base para lograr un uso eficiente del espacio.

4Rodinhas - Julgo que nós, coleccionadores de miniaturas, temos um “inimigo” em comum: o pó, assim e não só neste aspecto, pretendia saber se tens mais algum cuidado especial com a tua colecção?
CaboReyes - Al estar en una vitrina que cierre bien no requieren de gran cuidado ya que sólo se abre de vez en cuando, hasta el momento no tuve inconvenientes al respecto, incluso hace un año que la tengo y nunca tuve la necesidad de sacar todo para quitarle el polvo como escuché de otros colegas. Un fondo espejado ayuda mucho, ya que se puede apreciar toda la pieza sin siquiera tocarla ni abrir la vitrina.

4Rodinhas - Quando pretendes adquirir uma nova miniatura segues algum critério específico (qualidade, fabricante, preço, etc)?
CaboReyes - Calidad, fabricante y precio está todo relacionado, en mi caso se debe añadir antigüedad, ya que es también un factor de desición, una pieza inmaculada de más de 40 años a buen precio llama toda mi atención, un modelo realizado recientemente también me interesa, lo compro, sé que pago lo correcto, pero verlo a la venta en tres o cuatro lugares más, le quita mucho a la sensación de traer un tesoro único a casa, algo que da el modelo viejo. Va con mi estádo de ánimo, de traer modelos nuevos, cansarse de tanta perfección y traer modelos “arqueológicos” para volver a las raíces. Después vuelvo a comprar nuevos no hay marcas determinantes, si el modelo es bueno y es el momento, se compra.

4Rodinhas - E já agora na sequência da pergunta anterior, aonde adquires as miniaturas para a tua colecção?
CaboReyes - Ebay, Mercadolibre, algún comercio de importación, casa de antigüedades, mercado de pulgas, un aviso en el periódico, remanentes de comercios cerrados, negocios de pueblo con mercadería vieja, o un supermercado... Herencia, donaciones, regalos, Trueques con colegas... TODO ES BUENO!

4Rodinhas - Na Argentina têm alguma dificuldade em encontrar miniaturas? Também existem as colecções por fascículos?
CaboReyes - No hay mucha dificultad, tampoco es de lo más sencillo, hay comercios dedicados al modelismo en las grandes ciudades como Buenos Aires, Córdoba y Rosario. Algo en grandes tiendas pero no es lo mas habitual. Mucho se maneja por comercio electrónico. Respecto a las colecciones supongo que te refieres a las de Altaya, en un principio llegoron los “Taxis del Mundo” “100 años del automóvil sport” y los de Rally, tres colecciones que salieron completas de las que algunos modelos resultaron interesantes para mi colección, sólo algunos. Luego salieron otras como “Los mas bellos coches de época” que fueron 14, es más se promocionaron como una “colección de 14 modelos” cuando en Europa es de 50, fué muy notorio y entre coleccionistas la sensación de recibir los restos de dichas colecciones no se quita. Así siguieron colecciones posteriores como “Coches de ensueño” “Mercedes Benz”, ediciones que salían en otro orden respecto a Europa y con algunos modelos menos. Nunca llegaron “Nuestros Queridos Coches” ni “Camiones de Antaño” que son por las que más interés tendría.
Actualmente mientras va terminando la colección de Mercedes Benz se lanzo la de “Rally de Montecarlo” Yo sigo esperando algo de mi interés...

4Rodinhas - A internet permite-nos divulgar as nossas colecções e conhecer outras colecções de coleccionadores de outros países. Mas também deves conhecer alguns coleccionadores argentinos ou é raro encontrares quem se dedique a este hobbie?
CaboReyes - No sé si considerarnos muchos o no pero nos conocemos, nos juntamos, hay por lo menos 3 foros de opinión muy activos donde participan y varios tienen su blog. También hay eventos y exposiciones, aquí tienes una imagen de la que se realiza en Córdoba anualmente:

4Rodinhas - Para terminar e voltando à tua colecção, existe alguma miniatura que seja especial para ti? Qual e porquê? Envia a foto.
CaboReyes - Hay colegas que tienen colecciones 6 o 7 veces más grandes que la mía, incluso si nos guiamos por el número de modelos se podría ubicar entre las medianas-pequeñas según el punto de vista, motivo de la cantidad es que hay muchos modelos que los dejo pasar y no compro, una selección lo más estricta posible hace que sean muchos modelos especiales, cuando no lo son por su calidad y costo, lo son por la dificultad de conseguirlos o los años que tiene encima, no podría resumirme a un sólo modelo pero en pocas fotos te voy a mostrar mis predilectos:
Como modelo nuevo, de fabricación reciente, mi mayor tesoro es éste ómnibus Mercedes Benz LO 1112 de Premium Classixs – Unique Edition, no en vano es el modelo más visto de mi blog y es motivo de orgullo tenerlo:
Hace poco incorporé un Buby (una marca argentina desaparecida que para algunos es objeto de culto, para mí los primeros modelos de escalas 1:43 y 1:40 son motivo de adoración, no tanto así el resto) De ésta marca incorporé un Ford Falcon contemporáneo al auto (auto de 1965 y modelo de 1967) con un nivel de detalles asombroso considerando la época.
Y un Peugeot 604 de Sólido GAM producido en los años 70s, cuando fué la época de las aberturas en las miniaturas de escala 1:43, un modelo de sofisticación impensada, el capot no sólo cierra, también traba y para abrirlo debe presionarse la patente delantera, y las puertas abren con el marco del cristal... es decir, completas.
O el realismo del 505 de IXO... 
 Así, con un poco de cada época, puedo darte una idea aproximada pero verás lo difícil que resulta decir es éste mi predilecto por que no son comparables, de elegir tomaría el conjunto, ese todo del que forman parte, la colección.

Un gran abrazo José António!

27 novembro 2011

Abarth Grande Punto S2000 - G. Basso - M. Dotta (Rali de Monte Carlo de 2009)

Esta miniatura pertence à colecção Rallye Monte-Carlo - Os Carros Míticos – Fasc. nº 62.
A ligação desportiva entre a Fiat e a Abarth remonta aos anos setenta do século passado: a Abarth preparava os modelos da Fiat e da Lancia e os resultados foram excelentes. Com o afastamento do Grupo Fiat, na década de noventa, dos ralis e posterior queda nas vendas, a Fiat optou por fazer renascer o nome Abarth. Contudo o objectivo não era conquistar o WRC mas partir da base do modelo Grande Punto e transformá-lo num pequeno desportivo capaz de vencer no IRC (Intercontinental Rally Challenge). Deste modo procurava-se relançar a marca Fiat no mercado automóvel. Neste renascimento a Fiat decidiu que a Abarth seria uma nova marca no seio do grupo italiano.
O Abarth Grande Punto era baseado num Fiat Grande Punto que a Abarth transformou num automóvel com maiores capacidades desportivas; o lançamento do Abarth Grande Punto aconteceu no Salão de Genebra de 2007. O Abarth destinava-se ao Campeonato de Ralis de Itália e ao IRC: em Itália conseguiu numerosas vitórias mas no IRC as coisas foram mais complicadas.
O Abarth Grande Punto S2000 estava equipado com um motor de 4 cilindros em linha, de 1997cm3 de cilindrada, colocado na posição transversal na dianteira. A potência disponível era de 270 cv Às 8250 rpm. A tracção era integral e usava uma caixa de 6 velocidades e comando sequencial. Os guarda-lamas dianteiros e traseiros foram alargados o que aumentava a largura da carroçaria até ao máximo autorizado de 1,80 m. O aileron traseiro também era permitido pelo regulamento. Os guarda-lamas alargados permitiam a utilização de pneus BFGoodrich de maiores dimensões para as provas de asfalto. (in fascículo nº 62).
A miniatura apresentada é o Abarth Grande Punto S2000 de Giandomenico Basso (italiano) no Rali de Monte Carlo de 2009. A 77ª edição do Rali de Monte Carlo apenas contava para o Intercontinental Rally Challange (IRC) sendo esta a primeira prova do campeoanto. A Abarth procurava neste rali bater-se de igual com a Peugeot e a Skoda pela vitória. Giandomenico Basso não teve um rali fácil e desde muito cedo se viu afastado dos líderes devido a uma má escolha de pneus. Ao longo da segunda etapa saiu duas vezes da estrado quando tentava recuperar o tempo perdido. No final desta etapa Basso estava a 4 minutos do líder e encontrava-se apenas no 8º lugar. À partida para a terceira etapa, a Abarth tinha um carro no 2º lugar (Toni Gardemeister) mas o finlandês viria a desistir no decorrer da etapa. Basso ao vencer uma especial conseguiu subir ao 6º lugar e beneficiou da desistência de Gardemeister para terminar o rali na 5ª posição. A Peugeot colocou 3 carros nos três primeiros lugares, sendo a vitória para Sébastien Ogier (francês).
No campeonato do IRC de 2009, Giandomenico Basso conseguiu alguns resultados de relevo mas não foi além do 5º lugar com 28 pontos. Basso conseguiu vencer uma prova, em Portugal, e alcançou dois terceiros lugares (Brasil e Rússia). O inglês Kris Meeke ao volante de um Peugeot 207 S2000 venceu o IRC de 2009 com 60 pontos e 4 vitórias.
Giandomenico Basso nasceu a 15 de Setembro de 1973 em Itália. Depois de competir nos karts, Basso passou para os ralis aonde se encontra desde 1994. Basso foi o primeiro campeão no IRC em 2006, um campeonato que apenas tinha 4 ralis. Este piloto italiano tem feito carreira maioritariamente no IRC, onde já venceu 6 ralis. Desde 2006 até 2011, Basso guiou quase sempre um Abarth (de 2006 a 2010); neste ano de 2011 efectuou uma prova com o Peugeot 207 S2000 (Monte Carlo) e o restante campeonato está a disputá-lo ao volante de um Proton Satria Neo S2000.

19 novembro 2011

Lancia Stratos - S. Munari - S. Maiga (Rali de Monte Carlo de 1976)

Esta miniatura pertence à colecção Rallye Monte-Carlo - Os Carros Míticos – Fasc. nº 70.
Como quase todos nós, senão todos, sabemos que o lendário Lancia Stratos desempenhou um papel importante na história do mundial de ralis. Logo torna-se incontornável falar neste excelente carro dos ralis e aqui no 4Rodinhas já foram apresentadas várias miniaturas do Stratos. Esta é mais uma: a miniatura do Lancia Stratos de Sandro Munari, vencedor do Rali de Monte Carlo de 1976.
Apresentado na primeira metade da década de setenta, o Lancia Stratos venceu vários ralis, entre 1974 a 1981, conquistando 3 títulos de marcas (1974, 1975 e 1976). Ao todo venceu 17 provas do Campeonato do Mundo de Ralis: entre os anos de 1974 a 1981, quase todos os anos venceu ralis, com excepção de 1980 ano em que não venceu nenhum rali. É impressionante, são 7 anos consecutivos a vencer pelo menos um rali por ano. E se acrescentar que a partir de 1976 deixou de ser o carro oficial da equipa do Grupo Fiat e que ainda assim venceu ralis ao serviço de equipas privadas podemos afirmar que é desta forma que nascem os mitos.
Sandro Munari, piloto italiano de ralis, foi aquele que melhor se adaptou ao Lancia Stratos, vencendo 7 ralis com o Stratos. As restantes vitórias foram alcançadas pelos seguintes pilotos: Bjorn Waldegaard (sueco) e Bernard Darniche (francês) venceram 3 ralis cada um e Jean-Claude Andruet (francês), Markku Alén (finlandês) e Tony Fassina (italiano) venceram 1 rali cada um.
Concebido com o objectivo único de competir nos ralis, numa época em que os automóveis de ralis eram versões de modelos de turismo, o Lancia Stratos partiu da base do protótipo Stratos de Nuccio Bertone apresentado no Salão de Turim de 1970. Depois de Cesare Fiorio conseguir a autorização dos responsáveis para construir o Lancia Stratos, e conseguida a homologação, a estreia em competição aconteceu na Volta à Córsega de 1972.
O Lancia Stratos dispunha de um motor Ferrari V6 de 2,4 litros, com carburadores Weber de duplo corpo, que debitava 240 cv de potência. Posteriormente, com a injecção mecânica Kugelfischer permitia ao motor atingir a potência de 260 cv. Nestas duas versões, o motor tinha duas válvulas por cilindro mas numa evolução seguinte o motor passou a ter uma cabeça de quatro válvulas por cilindro, que em 1976 permitia atingir a potência de 275 cv. Houve no entanto outras evoluções nos anos seguintes que permitiram que o Stratos atingisse os 290 cv às 8000 rpm, sendo que em alguns
 modelos chegou mesmo a ultrapassar o 300 cv de potência.
O Rali de Monte Carlo de 1976 foi a 44ª edição, disputada entre 17/01/1976 a 24/01/1976, ao longo de 4.500 km dos quais 530 km eram cronometrados. A lista de inscritos atingiu os 148 participantes dos quais apenas 48 terminariam a mítica prova monegasca. Sandro Munari, vencedor do ano anterior, partia como o grande favorito à vitória e não deixaria de honrar esse favoritismo ao chegar no final como o grande vencedor de mais uma edição do Monte Carlo. O ano seguinte seria mais uma vez palco da consagração do Lancia Stratos e de Sandro Munari visto que seria a terceira vitória consecutiva desta dupla transalpina. O Lancia Stratos voltaria a vencer uma vez mais o Monte Carlo em 1979 mas desta vez com Bernard Darniche ao volante do lendário modelo da Lancia.

Os outros Lancia Stratos da minha colecção:

O Lancia Stratos de J.-C. Andruet 1º
classificado na Volta à Córsega de 1974.

O Lancia Stratos de B. Waldegaard
na vitória do Rali de Sanremo de 1975.

O Lancia Stratos de S. Munari na vitória
do Rali de Monte Carlo de 1977.
  
O Lancia Stratos de M. Alén 1º classificado
no Rali de Sanremo de 1978.

29 outubro 2011

Ford Focus WRC 07 - H. Solberg - C. Menkerud (Rali de Monte Carlo de 2008)

Esta miniatura pertence à colecção Rallye Monte-Carlo - Os Carros Míticos – Fasc. nº 50.
A equipa Stobart preparou quatro Ford Focus WRC 07 para o Rali de Monte Carlo de 2008 para o belga François Duval (miniatura já apresentada), Gigi Galli (italiano), Mathew Wilson (inglês) e Henning Solberg (norueguês). Apesar de ser uma equipa privada, a Stobart beneficiava de um bom apoio por parte da equipa oficial da Ford, a M-Sport.
Projectado em 2004, esta geração do Ford Focus já ia com uma série de versões, sendo que a Ford fazia questão de lançar a meio do campeonato a nova versão do ano seguinte. Assim conseguia, de alguma forma, antecipar a preparação da época seguinte. No caso deste Ford Focus WRC 07, a sua estreia tinha acontecido no Rali da Finlândia de 2007. Para a temporada de 2008 efectuaram-se as necessárias alterações com vista a adaptar o Focus às novas alterações técnicas. O motor era um multiválvulas com um bloco de alumínio de origem Mazda e batizado Duratec. A potência do motor de 1998 cc era de 300 cv às 6000 rpm. A transmissão era integral e utilizava uma caixa de 5 velocidades sequencial.
A miniatura hoje apresentada é o Ford Focus WRC 07 de Henning Solberg no Rali de Monte Carlo de 2008. Sem grande experiencia em ralis de asfalto escorregadio, Henning Solberg teve um inicio de rali em que sentiu algumas dificuldades em manter um ritmo competitivo, tendo terminado a primeira etapa no 14º lugar. Contudo e com o decorrer da prova Henning Solberg foi-se adaptando às condições do rali conseguindo bons tempos, o que lhe permitiu subir na classificação geral, passando para 10º no segundo dia. Na terceira etapa, Henning Solber soube gerir a sua posição na classificação e logrou mesmo subir ao 9º lugar da classificação final. O piloto francês da Citroen, Sébastien Loeb venceu o rali batendo Mikko Hirvonen (finalndês) da equipa oficial da Ford. A equipa Stobart terminou com os seus quatro Focus entre os dez primeiros: François Duval foi o quarto, Gigi Galli foi o sexto, Henning Solberg foi o nono e Mathew Wilson foi o décimo classificado.
Henning Solberg nasceu a 8 de Janeiro de 1973 na Noruega. Irmão mais velho de Petter Solberg (campeão do WRC em 2003), Henning estreou-se no WRC em 1998 num Toyota Celica no Rali da Suécia, por sinal no mesmo rali em que se estreava também o seu irmão Petter. Henning Solberg iniciou a sua carreira desportiva no rallycross tendo vencido o campeonato finlandês em 1993. A meio da década de 90 muda para os ralis e entre 1999 a 2003 sagra-se 5 vezes campeão finlandês de ralis. Nos anos a seguir à sua estreia no WRC, em 1998, Henning efectua esporadicamente alguns ralis do mundial por ano (1 rali em 1998, 1 em 1999, 4 em 2000, 4 em 2001, 2 em 2002 e 2 em 2003), como piloto privado até em 2004 conseguir um contrato com a Bozian Racing. Em 2005 corre pela Ford oficial e consegue um 4º lugar no Chipre, o seu melhor resultado até então. Em 2006 corre pela OMV num Peugeot 307 WRC e alcança o seu primeiro pódio, um terceiro lugar, no Rali da Turquia desse ano, terminado o campeonato na 8ª posição. A partir de 2007 e até à actualidade tem corrido pela Stobart e com os Ford Focus WRC: em 2007 consegue mais dois terceiros lugares nos ralis da Noruega e no Japão e termina o ano em 6º lugar; em 2008 não consegue nenhum pódio e termina o ano na 8ª posição; em 2009 volta a conseguir dois pódios (3º na Argentina e na Polónia) terminado o ano em sexto; em 2010 volta a falhar os pódios e termina o ano em 8º lugar, neste ano utiliza em alguns ralis o Ford Fiesta S2000; neste campeonato de 2011 que está ainda a decorrer Henning Solberg utiliza o Ford Fiesta WRC mas ainda não conseguiu nenhum pódio.

23 outubro 2011

Peugeot 307 WRC - T. Gardemeister - J. Honkanen (Rali de Monte Carlo de 2006)

Esta miniatura pertence à colecção Rallye Monte-Carlo – Os Carros Míticos (fasc. Nº 67).
Hoje apresento mais uma miniatura do Peugeot 307 WRC; esta é a terceira miniatura do 307 WRC desta colecção. Este é um dos “inconvenientes” que encontro nestas colecções: a repetição do mesmo carro, mesmo que seja em versões diferentes.
Anteriormente já tinha apresentado uma miniatura do Peugeot 307 WRC no Rali de Monte Carlo de 2006, no caso era o de Manfred Stohl (austríaco) da equipa Bozian Racing. Hoje o Peugeot 307 WRC é da equipa Astra com o finlandês Toni Gardemeister ao volante, no Rali de Monte Carlo de 2006. Estas duas equipas, a Astra e a Bozian Racing, compraram à Peugeot os 307 WRC depois da marca francesa ter decidido retirar abandonar a competição no final do campeonato de 2005. Deste modo a representação da Peugeot em 2006 ficou a cargo destas duas equipas privadas.
Toni Gardemeister tinha corrido pela Ford em 2005 e agora apresentava-se ao volante de um Peugeot 307 WRC de uma equipa privada para disputar o WRC de 2006. Apesar do apoio da Peugeot, o facto de enfrentar as equipas oficiais da Citroen e da Ford, não havia grandes ilusões nestas equipas privadas no que concerne à conquista de algum rali durante a temporada que se iniciava. Contudo havia sempre alguma esperança de alcançar alguns bons resultados, como por exemplo alguns pódios.
A miniatura representa o Peugeot 307 WRC de Toni Gardemeister no Rali de Monte Carlo de 2006. O Peugeot 307 WRC dispunha de um motor de 4 cilindros em linha com uma cilindrada de 1997. O motor estava colocado em posição transversal na dianteira e debitava 300 cv às 5250 rpm.
O rali iniciou com Gardemeister cauteloso e sem arriscar, sabendo que não haveria muitas hipóteses de lutar pela vitória mas com a pequena ilusão de que seria possível alcançar um bom resultado. Gardemeister sabia que o seu adversário nesta prova seria o austríaco Manfred Stohl, também num 307 WRC, da equipa Bozian Racing. Apesar de alguns problemas sofridos ao longo do rali, Gardemeister chegou a ser segundo classificado (atrás do Ford do finlandês Marcus Gronholm) seguido de Manfred Stohl, ambos à frente do francês Sébastien Loeb num Citroen Xsara WRC, um dos favoritos à vitória e candidato ao título mundial. Sabendo que viria a ser difícil manter-se à frente Loeb, quando este recuperasse o tempo perdido, Gardemeister concentrou-se em manter a sua vantagem em relação ao austríaco da Bozian Racing. Assim com o objectivo de bater a outra equipa que utilizava os 307 WRC, Toni Gardemeister conseguiu manter Stohl atrás de si e conseguiu um excelente resultado ao ficar em terceiro lugar e assim subir ao pódio na única vez em que conduziu o Peugeot 307 WRC. Pela segunda vez consecutiva Toni Gardemeister terminava o Rali de Monte Carlo no terceiro lugar. A vitória no Monte Carlo foi para o Ford Focus WRC de Marcus Gronholm seguido do Citroen Xsara de Loeb. No campeonato Loeb sagrou-se campeão mas a Ford levou o título de construtores. Toni Gardemeister ficou em nono lugar com 20 pontos tendo apenas participou em 4 ralis.

15 outubro 2011

Subaru Impreza WRC - S. Sarrazin - S. Prévot (Rali de Monte Carlo de 2006)

Esta miniatura pertence à colecção Rallye Monte-Carlo - Os Carros Míticos – Fasc. nº 66.
A Subaru, vencedora de três títulos de construtores (1995, 1996 e 1997) e de três títulos de pilotos (Colin Mcrae em 1995, Richard Burns em 2001 e Petter Solberg em 2003), apresentou o seu novo modelo para participar no mundial de 2006 partindo da plataforma utilizada entre 2001 e 2005. A base era idêntica ao que vinha desenvolvendo anteriormente, contudo adaptada às novas regulamentações do WRC relativamente à segurança e à transmissão. Mantinha-se o motor dianteiro em posição longitudinal de quatro cilindros opostos. A cilindrada era de 1994 cc e debitava 300 cv às 5500 rpm. A nova carroçaria foi reforçada, seguindo as indicações de segurança agora impostas, e os diferenciais passavam a ser mecânicos à frente e atrás enquanto que o diferencial central podia ser gerido electronicamente. Outra alteração imposta foi a interdição da injecção de água e a obrigatoriedade de utilizar os motores durante dois ralis. Mesmo respeitando estas alterações o motor revelou-se igualmente potente como o de 2005,sendo mais suave e constante.
Estando a ser preparado desde Março de 2005 o novo Subaru Impreza WRC para 2006 estreou-se no Rali de Monte Carlo de 2006. Os pilotos que compunham a equipa eram de qualidade, Petter Solberg (norueguês), Chris Atkinson (australiano) e Stéphane Sarrazin (francês, ex-piloto da F1), logo as expectativas da equipa eram elevadas. O que realmente aconteceu ao longo da temporada foi que os resultados ficaram aquém das expectativas e a Subaru não conseguiu vencer nenhum rali em 2006, contudo ainda foram alcançados alguns pódios.
A miniatura apresentada é o Subaru Impreza WRC de Stéphane Sarrazin no Rali de Monte Carlo de 2006. Stéphane Sarrazin terminou a prova no 5º lugar, enquanto a vitória sorriu a Marcus Gronholm (finlandês) num Ford Focus WRC seguido de Sébastien Loeb (francês) num Citroen Xsara WRC. Ao longo do campeonato de 2006 a Subaru nunca conseguiu intrometer-se na luta pelos títulos, que foram disputados apenas entre a Citroen e a Ford, as únicas marcas a vencer ralis neste campeonato. A Ford foi mais forte e ficou com o título de marcas enquanto Sébastien Loeb, da Citroen, sagrava-se campeão do mundo no final da temporada. A Subaru terminou a temporada em 3º lugar sem vencer um único rali. Petter Solberg foi o melhor piloto da Subaru ao terminar o campeonato em 6º lugar (sem vitórias o melhor que conseguiu foram três segundos lugares).

Stéphane Sarrazin nasceu a 2 de Novembro de 1975 em França. Sarrazin participou na Formula 3000 Internacional durante 4 épocas (de 1998 a 2001), sem que tenha conquistado o título. Venceu apenas duas corridas e obteve alguns pódios. A melhor época foi a de 1999 tendo ficado em 4º lugar no campeonato. Nesse ano de 1999, Stéphane Sarrazin fez a sua estreia na Formula 1 no GP do Brasil pela Minardi, substituindo o piloto Luca Badoer (brasileiro), que estava magoado num pulso. Sarrazin não terminou a corrida brasileira e a sua carreira na Formula 1 resume-se a essa corrida. Ainda se manteve durante alguns anos como piloto de testes da Prost e da Toyota mas nunca mais participou num GP de F1. Em 2003 esteve envolvido no World Series by Renault. Sarrazin também tem sido um dos pilotos presente nas 24 Horas de Le Mans, contando já com 10 participações; nos últimos anos tem participado como piloto da Peugeot tendo já conquistado por duas vezes o 2º lugar em Le Mans (uma delas fazendo equipa com Pedro Lamy); em outras duas ocasiões terminou na terceira posição. Em 2010 participa em duas corridas do Campeonato Mundial de GT1. No que diz respeito aos ralis, Stéphane Sarrazin participa em alguns ralis do WRC durante os anos de 2004 a 2005 pela Subaru. Durante esses 15 ralis o melhor que conseguiu em termos de resultados são dois 4º lugares. Posteriormente, entre 2009 a 2011, aparece esporadicamente no IRC, com um Peugeot 207 S2000, principalmente no Rali de Monte Carlo.

23 setembro 2011

Ford Focus WRC - M. Hirvonen - J. Lehtinen (Rali de Portugal de 2009)

Esta miniatura pertence à colecção Rally Collection – Fasc. nº 12.
Estreado em 1999, o Ford Focus WRC contava já com uma carreira de 10 anos em 2009, ao longo dos quais foi sofrendo inúmeras evoluções.
No Rali de Portugal de 2009, o piloto finlandês Mikko Hirvonen utilizou o Ford Focus WRC de 2008, a evolução de 2009 só surgiria no mês de Maio para o Rali de Itália.
O Ford Focus WRC de 2008 utilizava um motor turbo de 4 cilindros em linha de 16 válvulas com 1998 cc, colocado em posição dianteira transversalmente. A potência era de 300 cv às 6000 rpm. A transmissão era integral com um caixa sequencial de cinco velocidades. Resumidamente, foi com estas características que a Ford atacou o mundial de 2009 e que viria a perder para a Citroen e para Sébastien Loeb (francês).
A miniatura representa o Ford Focus WRC que Mikko Hirvonen utilizou no Rali de Portugal de 2009. Mikko Hirvonen iniciou o rali português ao ataque e foi o seu primeiro líder no final da super especial que se disputou no Estádio do Algarve. Hirvonen conseguiu manter a primeira posição no final do primeiro dia, beneficiando de uma saída de estrada de Sébastien Loeb e de um erro de Dani Sordo (espanhol) que o fez perder 20 segundos quando o piloto espanhol da Citroen era o líder da prova. Hirvonen ocupou então o primeiro lugar seguido de Marcus Gronholm (finalndês) num Subaru. Contudo Sordo recuperaria a segunda posição no final do dia, atrás de Hirvonen. No segundo dia do rali, Hirvonen ainda esboçou uma tentativa de manter o primeiro lugar mas Loeb ultrapassou o seu colega de equipa, Dani Sordo, e em breve estava na liderança do rali. Assim o segundo dia terminou com Loeb na frente, seguido de Hirvonen e de Sordo. No último dia do rali, apesar dos esforços de Mikko Hirvonen para alcançar o primeiro lugar, Sébastien Loeb saiu de Portugal com mais uma vitória no seu currículo. Mikko Hirvonen foi o segundo classificado seguido de Dani Sordo.
Mikko Hirvonen nasceu a 31 de Julho de 1980 na Finlândia. Com apenas 15 anos já corria em autocross, tendo passado para o rallycross pouco tempo depois. Com 18 anos faz a sua estreia nos ralis ao volante de um Opel Kadett 16V de 2 litros do Grupo N. Em 2000 participa pela primeira vez no Campeonato Finlandês de Ralis Junior. No ano seguinte passa para o escalão principal do campeonato finlandês. Nesse ano de 2001 dá nas vistas ao ficar em segundo lugar do campeonato. No ano de 2002, para além de participar no campeonato finlandês, participa noutras provas de outros campeonatos como alguns ralis do WRC. As boas prestações valeram-lhe um convite para testar um Ford Focus que por sua vez lhe abriu as portas para a Ford, assinando um contrato com a equipa de Malcolm Wilson para 2003. No ano seguinte corre pela Subaru e em 2005 participa no mundial com, onde alcança um terceiro lugar na Espanha. Esse excelente resultado para um piloto privado, dá-lhe a oportunidade de integrar a equipa oficial da Ford para o ano de 2006. A sua primeira vitória no WRC acontece em 2006 no Rali da Austrália. A partir daí a sua carreira tem-se desenvolvido praticamente ao serviço da Ford. Em 2008, com o abandono de Marcus Gronholm, Hirvonen assume a posição de primeiro piloto da Ford, sendo actualmente o principal rival de Sébastien Loeb. Actualmente já venceu 14 ralis, todas com a Ford e as duas últimas neste ano de 20011 com o Ford Fiesta WRC. Em 2008 e 2009 terminou o campeonato como vice campeão, que representam a sua melhor classificação no mundial.
Fontes: fascículo da colecção e wikipedia.

16 setembro 2011

Talbot Sunbeam Lotus - G. Fréquelin - J. Todt (Rali de Monte Carlo de 1981)

Esta miniatura pertence à colecção Rallye Monte-Carlo - Os Carros Míticos – Fasc. nº 71.
Já apresentei aqui no 4 Rodinhas uma miniatura do Talbot Sunbeam Lotus, na altura a versão do Rali do Brasil de 1981 aonde alcançou o segundo lugar. A miniatura de hoje é novamente o Talbot Sunbeam Lotus e novamente com os franceses Guy Fréquelin e o seu co-piloto Jean Todt no Rali de Monte Carlo de 1981. No Rali do Brasil ficaram em segundo lugar e no Rali de Monte Carlo, na abertura do campeonato de 1981, esta equipa também terminou a prova na segunda posição atrás do Renault 5 Turbo de Jean Ragnotti (francês).
O grande conquista que este pequeno carro de competição foi a vitória no campeonato de construtores de 1981, com apenas uma vitória no Rali da Argentina e vários segundos lugares (Monte Carlo, Portugal, Córsega, Brasil e San Remo). O finlandês Ari Vatanen, num Ford Escort, sagrava-se Campeão do Mundo em 1981.
O Talbot Sunbeam Lotus, que teve influência de Colin Chapman na sua preparação, utilizava um motor Lotus de duas árvores de cames à cabeça com quatro válvulas por cilindro. A cilindrada era de 2174 cc e debitava 240 cv de potência às 7000 rpm. A caixa de velocidades era manual da ZF com 5 velocidades.
O Talbot Sunbeam Lotus esteve em competição durante dois anos (1980 e 1981), venceu apenas dois ralis (RAC de 1980 pelo finlandês Henri Toivonen e Argentina de 1981 por Fréquelin) e venceu surpreendentemente o campeonato de construtores de 1981. O facto da Talbot pertencer à Peugeot, permitu a que Jean Todt, quando se retirou da competição como co-piloto, passasse a dirigir o projecto da Peugeot para o Grupo B, obtendo os resultados que todos nós já conhecemos.
Em relação à miniatura do Talbot anteriormente apresentada, a que hoje vos trago revela-nos algumas melhorias, nomeadamente a antena no tejadilho, no interior (com cintos nos bancos e manómetros) e alguns pormenores ao nível nos farolins traseiros que estão agora mais detalhados do que a anterior miniatura.

05 setembro 2011

Peugeot 207 S2000 - S. Ogier - J. Ingrassia (Rali de Monte Carlo de 2009)

Esta miniatura pertence à colecção Rallye Monte-Carlo – Os Carros Míticos (fasc. Nº 43).
Com a estreia em competição do Peugeot 207 S2000, a marca do leão voltava novamente aos ralis, embora sem que se tenha envolvido no WRC. Após se ter retirado dos ralis, em 2005, a Peugeot fez estrear em 2007, o seu novo carro, o Peugeot 207 S2000 para competir no International Rally Challenge (IRC). O IRC é um campeonato reservado aos automóveis de série com uma produção inferior a 2500 unidades por ano; o motor tem uma cilindrada máxima de 2 litros e não pode ter sobrealimentação e um regime máximo de 8500 rpm. A potência está limitada ao 280 cv sendo permitida a transmissão integral e caixas sequenciais. (fonte fascículo nº 43 Rallye Monte-Carlo – Os Carros Miticos).
O Peugeot 207 foi o modelo que veio substituir o Peugeot 206 cuja versão de ralis venceu 3 campeonatos do mundo (2000, 2001 e 2002). O motor de 4 cilindros estava colocado em posição dianteira e transversal, com uma cilindrada de 1998 cc. A potência era de 280 cv às 8500 rpm. A caixa de 6 velocidades era sequencial e inicialmente revelou-se frágil, problema que posteriormente foi resolvido. O Peugeot 207 S2000 revelou ser um carro bastante competitivo tendo vencido dois títulos do IRC (2008 e 2009).
A miniatura representa do Peugeot 207 S2000 de Sébastien Ogier (francês) no Rali de Monte Carlo de 2009. Nesse ano o Monte Carlo apenas contou para o IRC, tendo ficado de fora do calendário do WRC. À partida para a prova estavam presentes vários 207 S2000: pela Peugeot oficial, corria Stéphane Sarrazin; pela Peugeot belga, Nicolas Vouilloz e Freddy Loix; pela Peugeot inglesa, Chris Meeke e pela BF Goodrich e a Federação Francesa de Desporto Automóvel alinhava Sébastien Ogier (Campeão do Mundo Júnior de 2008 num Citroen C2). Entre os vários pilotos privados que também estavam presentes com um Peugeot 207 S2000 encontrava-se um ex-campeão do mundo, o francês Didier Auriol.
Sébastien Ogier acabou por ser o vencedor desta edição do Monte Carlo, tendo realizado uma prova bastante regular e beneficiando da desistência de Sarrazin quando este era líder da prova. Ao realizar uma prova quase isenta de erros, Ogier manteve-se suficientemente competitivo o que lhe permitiu assistir à desistência dos outros Peugeot 207, uns por avarias mecânicas e outros por erros dos seus pilotos.

Nota:
O blog 4Rodinhas cumpre hoje o seu 5º ano de existência. Desta feita sem grandes anúncios, como um post dedicado e/ou alterações motivadas pela efeméride, quero apenas assinalar o momento com um grande abraço e um agradecimento muito especial a todos os que visitam este humilde blog.

Um grande abraço e muito obrigado
José Ferreira