18 julho 2007

Alfa Romeo 33 SC 12 - Vittorio Brambilla (500 Km de Monza de 1977)

Esta miniatura é da marca Brumm.
Foi com o Alfa Romeo 33 SC 12 que a marca italiana dominou o Campeonato Mundial de Sport de 1977. O Alfa Romeo 33 SC 12, que derivava do 33 TT 12, utilizava o motor Alfa de 2.993 cc com 12 cilindros em V, com 520 cv de potência. Este motor também era utilizado, em 1977, na Formula 1 pela equipa Brabham. O Alfa Romeo 33 SC 12 pesava cerca de 770 Kg e atingia os 330 km/h. Em algumas provas ainda foi utilizado o motor de 12 cilindros equipado com turbocompressor. Neste caso, a potência era de 640 cv que permitia atingir os 352 km/h de velocidade máxima.
O Campeonato Mundial de Sport, apenas para as marcas, de 1977 foi completamente dominado pelo Alfa Romeo 33 SC 12. Venceu as oito provas que compunham o campeonato, uma das quais realizada no Estoril. A equipa Autodelta, divisão autónoma destinada apenas à competição da Alfa Romeo, era composta por bons pilotos, Vittorio Brambilla (italiano), Arturo Merzario (italiano), estes eram presença permanente, outros como Jonh Watson (irlandês) tinham participações esporádicas.
Esta é a miniatura do Alfa Romeo 33 SC 12 que Vittorio Brambilla utilizou na vitória dos 500 Km de Monza em 1977.


A Autodelta foi fundada por Carlo Chiti e Ludovico Chizzola em 1963, em Udinese, para construir o Giulia TZ 1 para a Alfa Romeo. Em 1966, a Alfa Romeo, pretendendo regressar às competições automobilísticas, adquire a Autodelta, mantendo-se Chiti como seu director. O engenheiro Carlo Chiti já tinha trabalhado na Alfa Romeo (1952), passou em 1958 para a Ferrari, onde contribuiu na construção do carro com o qual Mike Hawthorn se sagrou campeão (1958), bem como no de Phil Hill (1961). Em 1962 deixa a Ferrari para criar a ATS (Automobili Turismo Sport) mas as coisas não correm bem na Formula 1. Em dois anos apenas participa em 6 GP. Em 1963 funda a Autodelta com Ludovico Chizzola. Chiti também é responsável pelo regresso da Alfa Romeo à Formula 1 em 1979. Onde se manteve até 1984, no ano seguinte a Alfa Romeo volta a sair de “cena” na Formula 1. Carlo Chiti (Motori Moderni) passou a desenvolver o motor turbo para a Minardi. Mas em 1987, sem grandes resultados, saiu da Formula 1. Ainda tentou, em 1988, desenvolver um novo motor aspirado, quando se previa já a proibição dos turbos na Formula 1. Mas foi um novo fracasso e Carlo Chiti nunca mais voltou à Formula 1. Morreu em 1994.


Vittorio Brambilla nasceu a 11 de Novembro de 1937, em Monza. Brambilla foi mais um piloto que começou nas motos e fez carreira nos automóveis. Foi campeão italiano, em 1957, na categoria de 175cc. Passou depois pelos karts, Formula 3, Formula 2, onde foi ganhando várias corridas. Brambilla foi um dos pilotos que ajudou a Alfa Romeo a conquistar o Campeonato Mundial de Sports em 1977. Na Formula 1, a sua estreia aconteceu em 1974, no GP da Africa do Sul. Participou em 74 GP’s até 1980, ano da sua retirada. Venceu apenas uma corrida, o GP da Áustria em 1975, num March. Foi uma corrida marcada pela intensa chuva, o que levou à interrupção da corrida à 29ª volta. Brambilla foi declarado o vencedor e a sua felicidade foi tanta, que ficou famoso o seu despiste, danificando a frente do March, logo após a corrida ter sido interrompida, quando acenava para o público. No seu palmares, também só tem uma melhor volta e uma pole-position (GP da Suécia de 1975). Esta pole-position foi polémica porque há suspeitas de um membro da equipa March ter passado algo pelo feixe que regista os tempos (quando os carros cruzam a meta) antes de Brambilla. Durante a sua carreira na Formula 1 passou pelas seguintes equipas: March (1974 a 1976), Surtees (1977 a 1978) e Alfa Romeo (1979 a 1980). Vittorio Brambilla, o Gorila de Monza, viria a falecer em 2001, vítima de um ataque cardíaco.

1 comentário:

Peter J disse...

Aqui está um Brumm...e também encontrei um Porsche 917K, que eu também o tenho da Brumm, mas é o Gulf!
Concordo quando disse que fica bem em qualquer colecção, até porque eu procuro variedade de modelos e não a qualidade máxima...
Exemplo é este Alfa, que eu desconheço em qualquer outra marca e que a Brumm faz sem que possamos dizer que não tem qualidade, muito pelo contrario, é bastante interessante...
Abraço