05 julho 2007

Ford Sierra RS Cosworth - J. Santos - M. Oliveira (Rali de Portugal de 1987)

Esta miniatura pertence à colecção Os Nossos Campeões de Ralis.
O Ford Sierra, que foi a base do Sierra RS Cosworth, foi produzido em larga escala durante os anos de 1982 e 1993. Durante esses anos foram construídos mais de 2.700.000 unidades dos inúmeros modelos do Ford Sierra.
O Ford Sierra RS Cosworth foi apresentado em 1986, e em virtude do cancelamento dos carros do Grupo B a Ford resolveu utilizá-lo nos ralis. A Ford utilizou também o Sierra XR 4x4 que era menos potente que o Sierra RS Cosworth.
A versão cliente do Sierra RS Cosworth, de tracção traseira, tinha um motor turbo de 2 litros com 204 cv de potência que na versão desportiva podia atingir os 250 cv (informação por confirmar). Em 1987, a Ford terminaria o Campeonato do Mundo de Ralis na 5ª posição (62 pontos), sem vitórias. Os melhores resultados obtidos foram dois segundos lugares (Finlândia e RAC).
Curiosamente, a estreia internacional de Carlos Sainz (espanhol) nos ralis aconteceu no Rali de Portugal de 1987 com um Sierra RS Cosworth.
De todos os modelos do Sierra talvez o mais espectacular seja o Sierra RS500. Apenas foram construídas 500 unidades para homologação. Com o RS500, a Ford venceu várias provas nos campeonatos de Turismo. Em 1987, Klaus Ludwig venceu 4 corridas do World Touring Car Championship: Nurburgring, Brno, 500 Km de Wellington e Fuji.
Esta miniatura representa o Ford Sierra RS Cosworth da Diabolique Motorsport, com o qual Joaquim Santos conseguiu ser o melhor português no Rali de Portugal de 1987. Joaquim Santos foi campeão nacional quatro vezes: 1982, 1983, 1984 e 1992. O melhor resultado que conseguiu no Rali de Portugal foi o oitavo lugar (1979 e 1992).


Com o mundial de ralis de 1987 começava uma nova realidade no panorama dos ralis. Os carros do Grupo B foram proibidos como tal a nova regulamentação, imposta pela FIA, para a modalidade permitiu que os carros do Grupo A (mais parecidos com as versões de estrada) assumissem o protagonismo. Assim, resumidamente, os novos regulamentos impunham: o motor tinha que estar posicionado na frente do carro; era necessário produzir 5000 unidades para homologação do modelo; e reduziu os km dos ralis.
A Peugeot, Citroen e Austin Rover não participaram no campeonato enquanto que a Lancia desenvolveu um carro novo, o Delta HF 4WD. As marcas Audi, Ford, Mazda, Renault, Volkswagen e BMW assim como outras, utilizaram modelos desportivos que já tinham para participar, umas mais activamente do que outras. No entanto o campeonato de 1987 viria a ser dominado pelo Lancia Delta HF 4WD. Dos 13 ralis que compunham o campeonato, a Lancia venceria 9 ralis. O campeão mundial de 1986, Juha Kankkunen (finlandês) reforçou a Lancia que manteve Miki Biasion (italiano) e Markku Alén (finlandês).
O Rali de Monte Carlo foi facilmente dominado pela Lancia. A dúvida era qual dos pilotos da Lancia venceria. No final, Miki Biasion acabou por ser o vencedor, após alguma polémica com o seu colega de equipa Juha Kankkunen, que foi o segundo. O alemão Walter Rohrl levava o Audi 200 Quattro até à terceira posição. Mas mesmo assim ficou demonstrado que o 200 Quattro era pesado demais para ser competitivo nos ralis.
No Rali da Suécia, os Mazda 323 4WD conseguiram bater os Lancia Delta HF 4WD. Timo Salonen (finlandês) obtinha assim a sua última vitória no mundial de ralis. A Lancia conseguiu colocar dois carros no pódio, Mikael Ericsson (sueco) e Kankkunen
.

No Rali de Portugal, Markku Alén (Lancia) mostrou que era mestre no rali português ao vencer pela quinta vez o nosso rali (1975, 1977, 1978, 1981 e 1987). O francês Jean Ragnotti conseguiu um excelente segundo lugar com o Renautl 11 Turbo e Kenneth Eriksson (sueco) termina em terceiro lugar com um Volkswagem Golf GTi 16v. O melhor português foi Joaquim Santos (9º da geral) com o Ford Sierra RS Cosworth.
No sempre difícil Safari, o Audi 200 Quattro mostrou-se mais resistente do que a concorrência e termina nas duas primeiras posições: Hannu Mikkola (finlandês) e Walter Rohrl. Foi a última vitória de Mikkola no mundial de ralis.
Após 4 ralis, a Lancia e Kankkunen lideravam os respectivos campeonatos.
(continua)

4 comentários:

Mafaldinha disse...

Permita-me uma pequena correccao ;)
Segundo sei, o Sierra XR4i e a sua versao 4wd XR4x4, tinha um motor 2.5 V6 de 150cv ;)

José António disse...

Mafaldinha, obrigado pela sua visita e comentário.

Está certo o que diz mas o que eu queria referir no texto é que o Sierra RS Cosworth tinha 204 cv de potência na versão de cliente (?)(vou ter que confirmar isto). Relendo o meu texto realmente parece que estou a referir-me ao Sierra XR 4x4. Vou fazer uma correcção no texto para que fique mais claro.

Voltarei a falar do Sierra porque tenho pelo menos mais uma miniatura.
Obrigado
Cumprimentos

Anónimo disse...

Constava na altura, à boca pequena, que o Sierra do Carlos Sainz tinha 300 cv ao dinamómetro, ou talvez um pouco mais...isto foi dito em directo por jornalistas da RTP no dia do arranque do Rali de Portugal, no Autódromo do Estoril Ainda me lembro - faltei às aulas nesse dia :-)
Relembro que os Grupos A estavam limitados a 300 cv (fantasmas dos B's...)

José António disse...

Olá novamente, Anónimo. Eu também costumava ir aos ralis embora nunca tenha faltado às aulas... talvez... eheheh! O vício dos automoveis era mais forte.