01 dezembro 2007

McLaren MP4-3 - Alain Prost (1987)

Esta miniatura é da marca Minichamps.
Após 6 anos de colaboração na McLaren como designer (desde 1981 até 1986), John Barnard deixou a equipa de Ron Dennis para assinar pela Ferrari. John Barnard foi responsável pelos fabulosos McLaren MP4-2, e suas evoluções, que dominaram nos anos de 1984 e 1985 e que conquistaram 5 títulos para a McLaren: 3 de pilotos (Lauda em 1984 e Prost em 1985 e 1986) e dois de construtores (1984 e 1985). Para o lugar de Barnard, a McLaren contratou o engenheiro norte-americano Steve Nichols. A escolha de contratar Nichols era a mais natural para a McLaren. Steve Nichols trabalhou na Hercules, empresa americana de foguetões, que desenvolveu o chassis de fibra de carbono para a McLaren no início da década de 80. Aliás foi nessa altura que Barnard conheceu Steve Nichols. Por isso a escolha de Dennis para substituir Barnard foi a mais lógica.
No entanto, quando Steve Nichols chega à McLaren em 1987, veio encontrar um projecto já esgotado e ultrapassado pela Williams-Honda. Nichols sabia que, apesar de Alain Prost ter conquistado o título de pilotos em 1986 mas que aconteceu em parte devido à “guerra” entre os dois pilotos da Williams (Nelson Piquet e Nigel Mansell), tinha que construir um novo carro para a temporada de 1987. Outra dificuldade que surgia era o facto de se saber já que a Porsche não iria desenvolver mais o motor TAG que equipava o McLaren e que no final do ano deixaria de fornecer os motores à equipa de Ron Dennis.

Assim nascia o McLaren MP4-3 que seguia as linhas orientadoras do anterior MP4-2C. Uma das diferenças mais visíveis era ao nível dos flancos e da parte posterior. De resto a frente do MP4-3 era muito semelhante à dos seus antecessores. O motor, como referi em cima, continuava a ser o TAG-Porsche.
Outra alteração na equipa foi a contratação do piloto sueco Stefan Johansson, que vinha da Ferrari, para substituir o finlandês Keke Rosberg, que por sua vez tinha abandonado a Formula 1.
Mas mesmo sabendo que iria ser uma dura batalha contra os Williams-Honda de Piquet e Mansell, a McLaren e Alain Prost conseguiram um pequeno prémio na segunda metade do campeonato.

1987 – O Campeonato
A McLaren, ao contrário do que seria de esperar, teve um início de campeonato bastante prometedor. Alain Prost conseguiu vencer a corrida e bateu Nelson Piquet (Williams) em casa, que ficou em segundo. Stefan Johansson, que fazia a sua primeira corrida na McLaren, ficou num excelente terceiro lugar.
Nigel Mansell (Williams) venceu o GP de San Marino e beneficiou da desistência de Prost. Ayrton Senna foi o segundo classificado num Lotus. Nelson Piquet sofreu uma grave acidente durante a qualificação e como precaução não correu no domingo. Segundo se consta, Piquet terá ficado afectado com esse acidente e terá perdido alguma da sua natural rapidez…
No GP da Bélgica, a McLaren consegue uma surpreendente “dobradinha”, com Prost em primeiro seguido de Johansson, e tendo aproveitado as desistências dos seus mais directos adversários. Com esta vitória, Alain Prost igualava o record de 27 vitórias de Jackie Stewart.
Nos dois GP seguintes, Mónaco e Estados Unidos, o vencedor e o segundo classificado foram sempre os mesmos, Ayrton Senna (Lotus) e Nelson Piquet (Williams), respectivamente. Aliás, Piquet voltaria a ser segundo classificado nos dois GP’s (França e Grã-Bretanha) que se seguiram e que foram vencidos pelo seu colega de equipa Mansell.
Os quatro GP’s seguintes (Alemanha, Hungria, Austria e Itália) foram dominados pela Williams. Piquet venceu 3 destes 4 GP’s e após 5 segundos lugares finalmente venceu pela Williams. Mansell venceu na Austria.

No GP seguinte, em Portugal, Alain Prost voltava às vitórias, 8 GP’s após a sua última vitória no GP da Bélgica. Nessas 8 provas, Prost apenas tinha conquistado 13 pontos e viu-se afastado da luta pelo título. Contudo esta vitória em Portugal foi um pequeno prémio para Prost, é que a partir desse momento, o francês tornava-se no piloto com mais vitórias na Formula 1: 28 vitórias. Estava finalmente superado o record de 27 vitórias de Jackie Stewart que durava desde 1973 (13 anos).
Nos GP’s de Espanha e do México, Mansell obtêm as duas vitórias e mantêm as esperanças de alcançar o seu colega de equipa, Piquet, no campeonato. Piquet foi 4º em Espanha e 2º no México.
Faltavam duas provas para o fim do campeonato, Japão e Austrália, e tudo iria ser decidido entre os pilotos da Williams, Piquet e Mansell. Ficou tudo decidido no Japão, no regresso da Formula 1 ao país do sol nascente ao fim de 10 anos de ausência.
Nos treinos da 6ª feira, Nigel Mansell sofreu um aparatoso acidente que o impediu de participar na corrida. Nelson Piquet sagrava-se campeão do mundo pela terceira vez.
Essas duas últimas corridas do ano, foram vencidas pelo piloto austríaco Gerhard Berger num Ferrari.
Piquet sagrou-se campeão com 73 pontos (3 vitórias) e Mansell foi o vice-campeão com 61 pontos (6 vitórias). A Williams venceu o campeonato com 137 pontos (9 vitórias) e a McLaren ficou em segundo lugar com apenas 76 pontos (3 vitórias).

Os pilotos do McLaren MP4-3 em 1987 foram: Alain Prost e Stefan Johansson.
Vitórias: 3 (A. Prost: 3)
Pole-position: 0
Melhor volta : 2 (A. Prost: 2)

2 comentários:

Udieli disse...

Olá José Antonio!
Aprecio com muito gosto miniaturas, achei o seu blog fantastico, vou adicionar vc, faz uma visita la no pit lane, http://www.blogpitlane.vai.la/ e comenta lá a vida do alonso!!!!
abraço!!!!!!!!

Fleetmaster disse...

Ola!!! DEpois de longa ausência estou de volta. Gostei muito deste carro de F1. Tenho este também , mas com o Senna realizando um teste.
Abraços do amigo

Fleetmaster