10 outubro 2013

Ferrari F1-86 - Stefan Johansson (1986)

 
Esta miniatura pertence à colecção Ferrari F1 Collection – Fasc. Nº 10.
O novo monolugar da Ferrari para o ano de 1986, desenhado por Mauro Forghieri e Harvey Postlethwaite, tinha sido concebido com o novo limite de combustível para essa temporada: 195 litros. Um verdadeiro desafio para as equipas uma vez que desde 1984, após a proibição dos reabastecimentos, que o limite da capacidade dos depósitos vinha diminuindo a cada ano que passava.
O Ferrari F1-86 procurava ser melhor que o do ano anterior mas o que na teoria parecia ser possível na prática revelou-se um verdadeiro quebra-cabeças para a equipa italiana e seus pilotos. O Ferrari F1-86 apresentava melhorias ao nível das suspensões, aerodinâmica e a utilização de instrumentos óptico-electrónicos com um ecran digital que indicava os dados relativos ao consumo e distância. Tratou-se do primeiro passo rumo aos volantes-computador da primeira década do século XXI. in fascículo nº 10 da Ferrari F1 Collection, pag. 3.
O motor era o mesmo do ano anterior, com ligeiras modificações, de seis cilindros turbo em “V” a 120º e podia debitar 850 cv às 11500 rpm, logo mais potente do que no ano anterior. “A dissipação do calor gerado pelo motor exigiu amplas superfícies radiantes que ocupavam os painéis laterais quase por completo.” in fascículo nº 10 da Ferrari F1 Collection, pag. 14.
Ao longo de toda a temporada o Ferrari F1-86 foi tendo uma série quase infindável de problemas mecânicos que atestam a sua pouca fiabilidade logo pouco competitivos nunca conseguir ser uma ameaça às principais equipas (Williams, McLaren e Lotus).
A Ferrari manteve os mesmos pilotos da época anterior: Michelle Alboreto (italiano), que tinha sido o vice-campeão, e Stefan Johansson (sueco), que substituiu o francês René Arnoux após o primeiro GP de 1985. Não seria pela qualidade dos seus pilotos que a Ferrari deixaria de fazer um boa temporada. A comparação da temporada da Ferrari de 1986 com a de 1985 é desastrosa: zero vitórias, zero pole-positions e zero melhores voltar. Enquanto em 1985 a Ferrari ainda lutou pelos títulos em 1986 esteve muito longe de o poder fazer.
A miniatura de hoje representa o Ferrari F1-86 que o piloto sueco Stefan Johansson utilizou durante a temporada de 1986.

O campeonato de 1986
O GP do Brasil foi o primeiro da época tendo Nelson Piquet (brasileiro) vencido a prova logo na sua estreia pela equipa Williams. Piquet tinha deixado a Brabham no final de 1985 e assinou pela equipa de Frank Williams. Os dois Ferrari não tiveram sorte e acabaram por desistir com problemas mecânicos. No GP de Espanha assistiu-se a um final emocionante com o brasileiro Ayrton Senna (Lotus) a sagrar-se vencedor com o inglês Nigel Mansell (Williams) a escassos centímetros do brasileiro. Os Ferrari voltaram a desistir novamente com problemas mecânicos. No GP de Imola a Ferrari conseguiu os primeiros pontos da temporada por intermédio do 4º lugar de Johansson enquanto Alboreto registava novo abandono. A vitória foi para o francês Alain Prost (McLaren), que teria sido a sua terceira vez consecutiva em Imola caso no ano anterior não tivesse sido desclassificado.
No Mónaco os Ferrari de Alboreto e Johansson desistiram novamente com problemas mecânicos, no entanto o sueco ainda conseguiu classificar-se em 10º lugar. Alain Prost venceu a prova pela terceira vez consecutiva.
No GP da Bélgica os dois Ferrari terminaram nos lugares pontuáveis pela primeira vez neste ano: Johansson em terceiro (primeiro pódio da Ferrari no ano) e Alboreto em quarto. Nigel Mansell venceu a sua primeira corrida do ano, vitória que iria repetir no GP seguinte no Canadá. A Ferrari por seu lado falhou novamente, Alboreto foi o oitavo e Johansson desistiu, e iria desistir também no GP de Detroit. Alboreto alcançou mais três pontos devido ao quarto lugar. Ayrton Senna conseguiu a sua segunda vitória do ano em Detroit.
No GP da França, Alboreto após um arranque falhado consegue recuperar até à oitava posição enquanto Johansson viu o turbo do motor do seu Ferrari rebentar. No GP da Inglaterra, Johansson envolveu-se num acidente na partida mas o seu carro foi reparado a tempo da segunda partida contudo nada lhe valeu visto que viria abandonar. Alboreto não teve melhor sorte e abandonou também. Nos GP’s da França e Inglaterra o vencedor foi o mesmo: Nigel Mansell no Williams-Honda.
No GP da Alemanha a Ferrari continuava a série negativa que vinha praticamente desde o inicio do campeonato: Alboreto desistiu e Johansson, voltando a estar envolvido num acidente na partida, termina na 11ª posição. A vitória foi para Nelson Piquet, que já não vencia desde o primeiro GP do ano (Brasil). Nelson Piquet voltaria a vencer na Hungria e Johansson voltou também aos pontos graças ao quarto lugar. Alboreto não escapou à má sina da Ferrari e registou nova desistência, desta vez por acidente.
Na Áustria a Ferrari registou o melhor resultado do ano: Johansson foi o segundo e Alboreto o terceiro. A vitória, essa foi para Alain Prost que assim ganhava fôlego para manter as esperanças de revalidar o título. No GP de Itália Nelson Piquet volta a vencer e a Ferrari consegue um novo pódio através do terceiro lugar de Stefan Johansson. Alboreto desistiu. No GP de Portugal os dois Ferrari voltaram a terminar contudo apenas nos últimos lugares pontuáveis: Alboreto foi quinto e Johansson sexto. Mansell venceu a prova. Alguns dias depois da prova portuguesa Enzo Ferrari anunciava a contratação de John Barnard da McLaren. Desejoso de dar a volta à situação negativa que a sua equipa atravessava Enzo Ferrari dava plenos poderes a John Barnard.
No México a nota de maior registo foi a vitória de Gerhard Berger (austríaco) que vencia pela primeira vez na F1 e dava também a primeira vitória à Benetton. Os Ferrari, esses voltavam à lista dos abandonos. Na última prova do ano havia três pilotos com possibilidades de vencer o título: os dois pilotos da Williams, Piquet e Mansell, e Alain Prost da McLaren. E seria Prost a vencer a corrida e a sagrar-se campeão do mundo, com alguma sorte, é verdade, mas também com muito mérito visto que foi mantendo na luta até ao fim, quando claramente já não tinha o melhor conjunto (carro/motor) do pelotão da F1, que era o Williams/Honda. Stefan Johansson terminou em terceiro e Alboreto desistiu. Prost venceu ocampeonato com 72 pontos e a Williams venceu nos construtores com 141 pontos. Stefan Johansson foi o 5º classificado com 23 pontos e Michele Alboreto o 8º com 14 pontos. A Ferrari terminou o ano com 37 pontos e na 4ª posição.

Stefan Johansson nasceu a 8 de Setembro de 1956 na Suécia. Johansson esteve envolvido em 104 GP’s mas apenas participou em 79 GP’s. A sua primeira tentativa na F1 acontece em 1980 com a Shadow mas falhou a qualificação no Brasil e na Argentina. A sua estreia apenas acontece em 1983 no GP da Inglaterra com a Spirit. Nesse ano participa em 6 GP’s tendo obtido um sétimo lugar. Em 1984 participa em provas com a Tyrrell que depois foi desclassificada por irregularidades nos carros e posteriormente participa nos 3 últimos GP’s do ano com a Toleman. Na primeira prova com Toleman, em Italia (substituía Ayrton Senna, castigado pela equipa por ter assinado pela Lotus), Johansson alcança o quarto lugar. Para 1985, Stefan Johansson efectua a primeira prova (Brasil) com a equipa Tyrrell mas antes da segunda corrida (Portugal) é contactado pela Ferrari para substituir o francês René Arnoux. Nas restantes 15 provas de 1985 Johansson consegue boas performances e obtém dois segundos lugares. Em 1986, ainda na Ferrari, e com um carro visivelmente inferior consegue 4 terceiros lugares terminado o ano em 5º lugar e à frente do seu colega de equipa Michele Alboreto. Gerhard Berger entra na Ferrari e Johansson sai para a McLaren. Assim em 1987 Stefan Johansson consegue, com um carro que já estava ultrapassado, 2 segundos lugares e 3 terceiros lugares. Termina o ano na sexta posição e sai da McLaren para correr pela Ligier em 1988. Estes foram os seus melhores anos na F1 (1985, 1986 e 1987). Na Ligier não consegue nenhum ponto mas a equipa já não era a mesma que pontuava regularmente, não conseguindo inclusive qualificar-se em seis ocasiões. Para 1989 Stefan Johansson tem um desafio ainda maior na pequena equipa da Onyx, que fazia a estreia na F1 tendo que enfrentar as pré-qualificações existentes na época devido à numerosa lista de inscritos que havia. No entanto Stefan Johansson foi lutando e muitas das vezes não conseguia passar nas pré-qualificações, contudo no GP de Portugal consegue qualificar-se e, pasme-se, conseguiu um feito notável ao terminar na terceira posição (12º pódio da sua carreira na F1). Foi sua penúltima corrida na F1. Nesse ano não conseguiu qualificar-se para mais nenhuma prova. Em 1990, ainda na Onyx, tentou por duas vezes qualificar-se, sem êxito, para duas provas. E por aqui se ficou nesse ano. Em 1991 nos dois primeiro GP’s do ano tentou novamente qualificar-se, desta vez na equipa AGS, mas falhou. Depois passou para a Footwork e em quatro ocasiões apenas conseguiu a qualificação para o GP do Canadá. Foi a sua última participação na F1. Stefan Johansson foi um bom piloto da F1 que apesar de ter corrido pela Ferrari e pela McLaren, tal aconteceu em alturas que as equipas se encontravam já em fases descendentes.
Depois da F1 Stefan Johansson esteve envolvido durante alguns anos no campeonato americano CART. Como muitos pilotos que passaram pela F1, Stefan Johansson também apresenta no seu currículo várias participações nas 24 Horas de Le Mans, na qual a mais importante tenha acontecido em 1997 quando venceu as míticas 24 Horas de Le Mans ao lado de Michele Alboreto (seu ex-colega na Ferrari nos anos de 1985 e 1986) e de Tom Kristensen num Porsche WSC-95.

Os pilotos do Ferrari F1-86 em 1986 foram: #27 Michele Alboreto (italiano) e #28 Stefan Johansson (sueco).
Vitórias: 0
Pole-position: 0
Melhor volta: 0

6 comentários:

Juanh disse...

Bella Ferrari de los años en que los F1 aun nos gustaban. Justo hace unos minutos acabo de comentar en un blog sobre el coche de 1985. Es el día Ferrari!
Muy buena colección de Ferrari F1, ¿es de Altaya o Fabbri?
Abrazos!

José António disse...

Olá Juanh.
A colecção é da Altaya.
http://www.planetadeagostini.pt/colecionavel/ferrari-f1-collection.html

Obrigado pela visita.
Abraço

Juanh disse...

Bien, son los modelos de Ixo Altaya, muy buenas miniaturas; tengo sólo la 312T de Niki Lauda de 1975.
Abrazos!

Fleetmaster disse...

Falta uma Ferrari destas na minha coleção.
Belo modelo.

Fleetmaster

GK disse...

Belo modelo. Infelizmente aqui no Brasil acho que não lançaram esse modelo. Pelo menos não é a edição 10. Parabéns pelo blog. Muito legal.

José António disse...

GK, obrigado pelo o elogio e comentário.
Abraço