08 janeiro 2012

Toyota Celica GT - J.-L. Thérier - M. Vial (Rali 1000 Pistes de 1979)

Esta miniatura pertence à colecção Rally Collection (fasc. nº 50).
Tendo competido desde o final da década de 1970 até ao inicio de 1980, o Toyota Celica GT revelou-se um carro potente mas frágil. Jean-Luc Thérier resumia assim a sua opinião sobre este carro: “Participei em 24 ralis do Campeonato do Mundo ao volante deste Toyota Celica GT e abandonei umas 20 vezes… sempre devido à mesma avaria! Estranho, não? Este carro tinha um moto fantástico mas o problema era ser demasiado potente em relação à sua estrutura. Tínhamos pouca motricidade”. In fascículo nº 50 Rally Collection.
Como o Toyota Celica GT tinha tracção traseira, o eixo detrás era frágil de mais para a potência, verificando-se problemas com a fixação do eixo traseiro. Thérier afirmava “todos os tirantes do eixo saltavam e os amortecedores acabavam por passar através das cavas das rodas”. In fascículo nº 50 Rally Collection.
O Toyota Celica GT utilizava um motor de 4 cilindros em linha com 1998 cm3 que debitava 180 cv às 7300 rpm. A transmissão era traseira e usava um caixa de 5 velocidades.
A miniatura apresentada é o Toyota Celica GT de Jean-Luc Thérier no Rali de 1000 Pistes de 1979.
Disputado nas pistas do campo militar de Canjuers, o Rallye 1000 Pistes de 1979 teve uma impressionante lista de inscritos, digna de um rali do Campeonato do Mundo. Jean-Luc Thérier conseguiu levar o seu potente mas frágil Toyota Celica GT até ao final da prova batendo todos os seu adversários e arrecadando desse modo uma excelente vitória. A lista de inscritos, que tinha 163 automóveis, incluía nomes como o francês Bernard Darniche num Lancia Stratos, o inglês Tony Pond e Jean-Pierre Nicolas ambos em Talbot, o finlandês Timo Makinen num Peugeot 504 Coupé V6, os franceses Guy Fréquelin e Bruno Saby ambos em Renault 5 Alpine, entre outros. Verdadeiramente notável para um rali que não pertencia ao campeonato do mundo.
Com a particularidade de o percurso do rali ser desconhecido para os participantes, as equipas tiveram que fazer o reconhecimento na primeira passagem dos troços e tirar notas para as passagens seguintes. Inicialmente foi Tony Pond (Talbot), que já habituado a este tipo de rali secreto, tomou conta da liderança da prova seguido de Darniche no Stratos. Jean-Luc Thérier preferiu, neste primeiro dia, poupar a mecânica do seu Toyota Celica e aproveitar para recolher boas notas dos troços. Com o objectivo de vencer a Taça de França de Ralis de Terra, Thérier tinha que vigiar Bruno Saby e Christian Dorche (Opel Kadett GTE), enquanto Nicolas capotava e perdia 7 minutos. No final do primeiro dia Thérier encontrava-se na segunda posição atrás do Lancia Stratos de Darniche, a uma distancia de 1min09s. No dia seguinte, o azar de Darniche foi a sorte de Thérier: uma jante partida do Stratos fez com que Darniche perdesse 7 minutos e todas as hipóteses que tinha de lutar pela vitória. Deste modo Thérier assumiu a liderança mas pouco tempo depois o Celica teve um furo que fez com que Thérier fosse obrigado a ceder o primeiro lugar ao corajoso Tony Pond (Talbot). Nesta segunda passagem pelas especiais vários pilotos foram afectados por furos nos seus carros, sendo Pond o primeiro com 49 segundos de vantagem sobre Thérier e em terceiro surgia Darniche que vinha recuperando o tempo perdido. Na terceira passagem, Thérier surgiu ao ataque e bateu várias vezes o Talbot de Pond, assumindo a liderança da prova. Jean-Luc Thérier soube defender a sua posição e venceu o rali em Canjuers pela terceira vez consecutiva. Pond ficou em segundo lugar a apenas 20 segundos e Darniche foi o terceiro classificado.

10 comentários:

CaboReyes disse...

Casi lo miro extrañado, tan acostumbrado a ver el Celica mas nuevo tan vencedor en rally que mirar a su antecesor es toda una experiencia nueva.

Juanh disse...

Hermoso Célica, y de los más viejitos, que tienen su encanto también.
Abrazos!

Domingos Palha da Costa disse...

Boa tarde José António

Desconhecia as fragilidades deste Toyota e é surpreendente pela fama que os carros nipónicos tinham de resistentes.

Abraço e um feliz ano para ti e todos os teus

Domingos

José António disse...

CaboReyes e Juanh,
Estamos habituados a ver um Toyota mais moderno... também desconhecia esta versão até comprar esta miniatura. Obrigado pela visita.

Domingos,
É bem verdade o que refere, os Toyota são conhecidos pela sua robustez, contudo julgo que este problema fosse apenas na versão de competição que tinha potência a mais... tipicamente um caso de "you're writing checks that your body can't cash".
Obrigado pela visita

Gaucho Man disse...

hola José Antonio, muy lindo modelo tienes ahí.
en Argentina tuvimos este auto, es un auto muy querido en estas pampas.

JDMike's Diecast Site disse...

super wow!!!

I am green with envy! :-)

congrats on getting that Celica Jose! :-)

Crujicrocolicious disse...

Boa tarde! Eu precisava de ajuda.. eu quero comprar uma miniatura dum peugeot 207, cor laranja, 5 portas para oferecer a um amigo, mas não sei onde encontrar. Já procurei em lojas de brinquedos e papelarias e nada. Sabe me dizer onde pode existir? Agradeço imenso a resposta.

José António disse...

Gaucho Man, obrigado pela visita!
Grande abraço

JDMike, thanks for visiting... glad you like it!

José António disse...

Crujicrocolicious,
Obrigado pela visita.
Estive a fazer uma pesquisa nos locais onde compro as minhas miniaturas e o único sitio que vi foi no model-car, contudo a miniatura é de duas portas (aqui vai o link):
http://www.model-car.com/modellauto/144236/Peugeot-207,-orange.htm

Crujicrocolicious disse...

José António muito brigado pela resposta e pela pesquisa! Continuação dum bom trabalho.